A verdade sobre a vida de verdade

O disco novo do Frank Jorge? Ótimo, mas nada como ver o cara ao vivo. Quinta passada, dia 8, estive na primeira “fila” da platéia que lotou o Ocidente pra ver o passo adiante no ciclo iniciado com Carteira Nacional de Apaixonado (2000), reafirmado em Vida de Verdade (2003) e agora de certa forma desafiado em Volume 3 (2008).

Por “desafiado”, entenda-se a troca da ironia por uma certa resignação, ora sarcástica, ora lúdica, mas sempre inteligente, em relação aos inevitáveis fatos da vida: amor, desilusão, entusiasmo, Império dos Sentidos e demissão. É a melhor expressão da habilidade de um artista que absorveu algumas porradas da tal vida de verdade e as transformou em um repertório consistente e divertido, chorando as mágoas existenciais do vivente comum sem nem ao menos chegar milhas e milhas perto de algo remotamente parecido com… “emo”.

Pra traduzir a frase enorme e complicada aí de cima, vamos a um exercício mais fácil. Compare os versos “Não passo de um amador, em busca da vida perfeita/ Pelo menos estou tão distante da truculência executiva de um yuppie”, oriundos do primeiro disco, com a seguinte letra do álbum novo: “Eu demiti um amigo/ oh meu deus por que isso aconteceu comigo / eu era um subordinado cumprindo ordens de um desmiolado (…) / Eu demiti um amigo / já perdi a noção do que é certo ou errado/ espero um dia então/ de sua voz possa ouvir o perdão.”

A ironia do primeiro caso brilha ao se misturar, no set list ao vivo, com o tom confessional do segundo caso, ainda mais quando este se apresenta embalado em um bolerão reginaldorossiano. É o jeito Frank Jorge de dar a real. Quem mais faz isso com uma sensibilidade tão peculiar?

Se no disco Frank tocou grande parte do instrumental, ao vivo ele junta velhos parceiros como Alexandre Birck (também batera da Graforréia) e Regis Sam (baixista de uma dúzia de formações gaudérias) com Bruno Alcalde (que já tocou com o DeFalla e o Marcelo Birck) e o tecladista Paulo Bergman. O quarteto de acompanhamento, devidamente uniformizado de camisas brancas com as iniciais FJ no peito, tocou justinho, junto com Frank, imprimindo pressão a um som calcado, claro, em jovem guarda, Beatles, Beach Boys mas também lembrando a urgência de outro Frank, o Black.

Passagem de som do show.

Mesmo com tudo isso, logo nos primeiros segundos de Volume 3 (e do show), Jorge se desculpa como bom virginiano cantando: “Sim, você esperava muito muito muito muito mais de mim / O que eu posso lhe dizer? Eu sou assim / não tenho culpa”. Recado de outro virginao convicto: não se preocupe, Frank. Você entrega pra nós muito muito muito muito mais do que pensa.

Anúncios

4 pensamentos sobre “A verdade sobre a vida de verdade

  1. Pingback: Trabalho Sujo » Arquivo » Frank Jorge 2009 - OESQUEMA

  2. Pingback: Trabalho Sujo » Arquivo » Frank Jorge 2009 - OESQUEMA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s