Avatar

Acho que já se falou e escreveu bastante sobre Avatar. Mas com a poeira da quarta-feira-de-cinzas finalmente baixando e toda a purpurina da avenida se depositando no concreto, talvez seja uma boa hora pra perguntar: quem é que andou espalhando essa idéia de que o filme tem uma mensagem new age, pacifista e ecológica?

Tudo bem, tudo bem, eu comprei total, lépido e faceiro, o papo da árvore que serve como um grande hub de conexão entre a tribo de Pandora e a inteligência vegetal do planeta. A idéia é super bacana e podia render uma série inteira de filmes interessantíssimos só em cima disso (Avatar Chronicles? Animavatar?). Agora, vamos combinar: fazendo os cálculos, descontando os juros e botando tudo na ponta do lápis, o que temos no fim das contas é mais um blockbuster com uma pancadaria pesada de meia hora no final e, pela pela milésima vez na cultura cinematográfica, um americano salvando um povo considerado “primitivo”. Não se engane: Avatar é mais uma (exuberante, linda, visualmente muito bem executada) sessão de terapia da alma americana.

Bom, isso tudo pode ser meu lado cínico falando. Deve ser meu lado cínico. Mas o fato é que não consegui abraçar Avatar como algo mais do que uma super experiência de direção de arte e computação gráfica (embora, como bem lembrou minha mulher, não é tão surpreendente pra quem tem filhos e vem assistindo a 3D intensamente nos últimos anos). O motivo do meu desencanto? O humanismo no filme é muito mal distribuído. Exemplo. O lado tosco do coronel Quaritch é espremido até tirar todo o suco e encher o copo de um vilão absolutamente caricato e nada dúbio. E dubiedade é o que faz os grandes vilões da mitologia moderna serem grandes vilões, pois assim podemos nos conectar com eles e não cair no conto do “pessoas do bem contra pessoas do mal”.

É impossível, mesmo para a platéia mais retrógrada, se identificar com o Coronel Quaritch de tanto que ele é pintado como malvadão. O papel das mitologias pop, a meu ver, não é de forma alguma colocar as coisas totalmente em seu devido lugar, mas dar uma bagunçada nas percepções ao fazer você se identificar com personagens de diferentes matizes – encontrar pequenas partes de você ao longo de todo o elenco. Não é o caso de Quartich, não é o caso de Avatar.

Veja bem: não estou desfazendo o filme. Adorei vê-lo. Tive boas três horas de cinema. Só estou aguardando, com certa ansiedade, a evolução dos roteiristas de blockbuster pra acompanhar tanta acrobacia visual.

9 pensamentos sobre “Avatar

  1. Se fosse um filme 2D seria fracasso de bilheteria. Possivelmente considerado o pior filme do diretor.
    Além disso, nenhum ator empolga. O suposto mocinho é um chato.
    Filme lembra um pouco Tarzan, homem branco que vive na selva e é mais forte que qualquer índio e os animais. O herói de Avatar consegue domar até um periquito gigante. E de forma mais fácil do que o outro ser alado.
    A dancinha ao redor da rede neural para a transmissão de dados também é totalmente dispensável.
    A maior dúvida que tive no filme foi de onde vinha tanta água que caía das rochas que ficavam flutuando.

  2. é, na real o problema é justamente este levar a sério demais um filme como Avatar, ficar esperando um roteiro extraordinário, atuações incriveis, inovações artisticas enfim.
    Eu achei muito tri o filme, assisti numa cópia baixada de internet, portanto 2D e foi uma experiencia muito interessante.
    Quer roteiro, atuações? procura o Aronofsky, o Richard Kelly, enfim…

  3. falou absolutamente tudo. o filme tecnicamente é perfeito, impressionante, mas parece que esqueceram de reservar uma pequena fatia de todo o esforço intelectual e financeiro para a originalidade do filme.

  4. eu não vi o filme ainda, então não tenho mto como opiniar sobre a experiência do filme em si. Mas achei bem interessante uma matéria na bravo de fevereiro fazendo um comparativo entre os filmes “visuais” x os filmes de “textos inteligentes”. O titanic teve esse mesmo efeito, uma superprodução banal…

  5. Bem, falando sobre Avatar, escrevi em meu blog sobre o filme em questão, e hoje vejo o quanto a minha crítica foi um tanto pelo calor do momento pós filme, tanto que corrigi a nota que dei ao filme. O roteiro não existe, é um roteiro simplório com diálogos beirando o rídiculo e atuações mais que pífias, a animação por computador não me mostrou a que veio, pois este tipo de mundo cenário já nos é mostrado a um bom tempo nos games de última geração, e não tinha observado este ponto de vista sobre a sessão de terapia da alma americana. Acredito também piamente que se o filme fosse lançado em 2D não seria umfilme grandioso, o pior é que cada dia que passa o cinema americano vai se perdendo cada vez mais com seus roteiros ridiculos, suas franquias insuportáveis e seus filmes de super heróis!!!!!!

  6. Pocahontas no espaço, exactamente a mesma história “http://thenextweb.com/shareables/2010/01/05/pocahontas-avatar/” .
    Filme para crianças. Para quem realizou Alien 2, desanimou.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s