E se as doações de campanha fossem graficamente visíveis no site dos candidatos?

IMG_0482-1300x866

A questão da transparência no trato com as doações para campanhas eleitorais é um assunto que vem sendo repetidamente tratado pela imprensa mas que ainda tem um longo caminho a percorrer no que diz respeito à sua tradução para a cultura digital. A rigor, pela lei, os dados são públicos e estão disponíveis no site do TRE, mas na prática ainda dependem de jornalistas e ativistas para serem traduzidos em informação relevante e qualificada. Se ninguém mergulha nos dados e não traz à tona algumas conexões, eles são efetivamente um “bando de dados” e não um banco de dados como diz um ditado do mundo da pesquisa.

Utopicamente (e talvez ingenuamente), seria interessante pensar em um caminho no qual os dados de doação de campanha se apresentassem diretamente ao eleitor com sua relevância e conexões com o candidato, sem depender exclusivamente de jornalistas e ativistas. Há algumas semanas, o Plinio Zalewski deu uma ideia interessante: deveria ser obrigatório que as doações estivessem facilmente acessíveis na primeira página do site do candidato. Você entra no site, clica numa seção e vê quem doou quanto.

Se levarmos em consideração o avanço das tecnologias de big data, não seria maluco pensar numa evolução pra essa ideia. Por exemplo, uma barra no topo do site de cada candidato com o logotipo dos principais doadores privados. Essa barra poderia não ser apenas conectada ao sistema do TRE, mas também ao vasto mar de informações dos buscadores da internet e, a partir daí, determinar o tamanho do logotipo na barra de acordo com o volume doado e com as conexões políticas e econômicas entre empresa e políticos. Quanto maior o aporte do doador e sua intimidade com o candidato, maior o logotipo no site. Tudo muito simples e visual.

Claro que estou aqui especulando livremente tanto do ponto de vista tecnológico quanto político. São tantas forças e estruturas precisando ser revistas (inclusive a doação privada para campanhas) que ferramentas digitais podem parecer brinquedos perto da complexidade e opacidade do sistema político atual. Mas não vamos subestimar os brinquedos. Tanto a política quanto a vida em geral hoje são fortemente influenciadas por aparelhos e sistemas criados por nerds cujo trabalho era considerado até bem pouco tempo atrás brincadeira de criança ou ideia de ficção científica.

***

Leitura Complementar

Estamos vivendo uma crise de interface com o usuário.

– Doações de campanha e a cultura do segredo do site Repórter Brasil.

– As quatro irmãs: a relação das grandes empreiteiras brasileiras com as campanhas eleitorais.

***

Foto: Picjumbo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s