O espaço de trabalho ideal segundo a R/GA (e Steve Johnson)

02_Diagram

Alguns anos atrás, passei por uma das experiências mais ricas da minha carreira ao vivenciar a mudança de endereço de uma agência em que trabalhava. Fomos, mais de 100 funcionários, de um espaço térreo, escuro, antigo, com móveis velhos, paredes desgastadas e num bairro residencial para um gigantesco conjunto comercial com tudo tinindo de novo e localizado numa das avenidas mais valorizadas da cidade. Apesar de inegavelmente bem planejado e executado, o novo espaço decepcionou uma parte da equipe, que com o tempo passou a sentir falta do velho escritório. Pouca gente articulou sua saudade e eu só fui entender mesmo o que havia acontecido quando li De Onde Vem as Boas Ideias.

No livro, o escritor Steve Johnson explica o que caracteriza um ambiente criativo, buscando referências em recifes de corais, metrópoles e no sopão de proteínas que deu origem à vida na Terra. E defende que ambientes criativos precisam de uma mistura muito bem equilibrada de estruturação e caos. A maior parte das empresas pende para um lado ou para outro. Encontrar o ponto certo é um feito para poucos. No caso da agência que citei, vínhamos de um espaço deteriorado porém extremamente permeável à colaboração, cheio de recantos informais nos quais pessoas de diferentes áreas faziam reuniões improvisadas. A informação interna circulava de maneira muito mais livre. O que era um pouco mais difícil no espaço novo.

O relatório Creativity for the Connected Age, da agência digital R/GA (mais conhecida pela criação do Nike Plus), tem um capítulo dedicado a espaços criativos de trabalho e traz no gráfico acima um resumo visual abertamente derivado da abordagem de Steve Johnson. Um dos trechos de “Letting the Creative Culture Flourishes” explica:

“O Escritório Ideal combina aspectos de cafés, cidades e da Internet. Inspiradas nos cafés, as empresas devem criar um ambiente acessivo e inclusivo para que seus funcionários compartilhem ideias. Inspirados nas cidades, o Escritório Ideal deve ser projetado para combinar diferentes pontos de vista de maneira que se produza a fricção necessária para gerar melhores ideias. E da Internet, as empresas devem copiar as oportunidades que permitem aos funcionários colaborar transcendendo cargos e departamentos.”

Claro, mais fácil falar (ou escrever) do que fazer. Mas, no caso da respeitada R/GA, trata-se de uma empresa que está desenhando um mapa a partir de um caminho que já percorreu. Dá pra confiar.

O relatório Creativity for the Connected Age pode ser acessado a partir de inscrição gratuita na plataforma de informação Future Vision da R/GA.

***

Leia também:

– Suas ideias não são só suas: entrevista de Steve Johnson à Época Negócios.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s