O Círculo: talvez o livro mais importante de 2014

The-Cirlce

O ano já se encaminha para o final, mas ainda dá tempo: O Círculo, romance de Dave Eggers que narra a ascensão de uma funcionária exemplar na empresa de tecnologia mais criativa do mundo, pode ser lido sem pressa em poucos dias, digamos, entre o Natal e o Ano Novo. Não que sua atualidade tenha data de validade tão curta ( o livro é de 2013!), mas defendo que este livro, mesmo com seus pequenos defeitos literários, talvez seja um importante marco na cultura contemporânea. O que Eggers fez não é pouco – ele escreveu a fábula definitiva que encerra um período de ingenuidade sobre o que o universo simbólico do Vale do Silício tem a oferecer para o mundo. Quanto antes passarmos isso a limpo, melhor.

A história de Mae Holland, personagem principal do romance, é facilmente reconhecível mesmo por quem não acompanha o noticiário especializado de tecnologia. Recém formada e enfiada em uma repartição pública do interior da Califórnia, Mae é resgatada de sua vidinha ordinária por uma ex-colega de faculdade que lhe devia alguma fidelidade. A dívida é paga com juros. Annie, a amiga socialmente bem posicionada de Mae, faz parte da elite do Círculo, o Google do universo criado por Eggers, que revolucionou a vida online unificando todos os perfis e identidades virtuais no TruYou, “uma conta, uma identidade, uma senha, um sistema de pagamento por pessoa” no qual se usa “seu nome verdadeiro, que está vinculado a seus cartões de crédito, seu banco”, ou seja, “um botão para o resto da sua vida online”. A sede do Círculo, situado em uma cidade fictícia próxima a San Francisco, é tudo aquilo que Mae – e boa parte dos jovens hoje – quer de um ambiente de trabalho: uma Shangri-la moderna, com calçadas pavimentadas com pedras contendo mensagens inspiradoras, comida orgânica gratuita, shows e espetáculos diários com grandes artistas no refeitório, festas temáticas semanais, um hotel interno para quem não quer dirigir de volta pra casa depois do serão, medicina preventiva baseada em sensores intracorporais e big data, além de uma demografia clara no recrutamento (só jovens bacanas e interessantes entram para O Círculo). É nessa empresa, que Eggers parece ter construído a partir de uma pesquisa sobre “onde as pessoas de 2014 gostariam de trabalhar”, que Annie arruma uma vaga para sua ex-colega da graduação.

02616_gg
[o autor]

Mae começa por baixo, na área de atendimento ao cliente, e primeiro estranha a intensidade social dos funcionários do Círculo, que vivem o campus como se fosse o único lugar do mundo onde vale a pena estar. Mas, rapidamente, ela não só é seduzida pela vida no Círculo como engata uma trajetória de protagonismo pagando alguns preços que Eggers – mas não Mae – considera caros. Sua privacidade, sua relação com os pais, com a amiga Annie e com qualquer coisa que não seja a filosofa essencial dos Três Sábios, o board que preside O Círculo, tudo vai sendo deixado para trás em nome de um avanço radical em busca da transparência digital definitiva. O livro se desenrola na sua dupla função, de sátira e thriller. A meio caminho do final, um forte suspense tempera a divertidíssima crônica de costumes que cobre praticamente todos os exageros que viemos cometendo nos últimos 15 anos no uso indiscriminado e experimental do que quer que a indústria da tecnologia sacuda na nossa cara. Os ruídos de comunicação gerados pelo contato virtual, a carência emocional convertida dados de audiência pessoal, a autoexposição que busca soterrar angústias profundas, o reality show que pulou da TV pras nossas timelines – O Círculo de Eggers parece mais um catálogo das pequenas insanidades cotidianas da hipermodernidade.

Apesar de algumas forçadas de barra narrativas (bem sublinhadas por essa resenha do NYT) e da tradução para o português que não tem como dar conta da mania dos personagens de falarem discursando como se estivessem no TED Talks (algo que flui melhor em inglês), O Círculo tem o gigantesco mérito de expandir para uma audiência mais mainstream linhas de discussão que até então viviam restritas aos textos de especialistas como Jaron Lanier, Evgene Morozov e Douglas Rushkoff. O poder de influência das empresas de tecnologia sobre a sociedade via ferramentas e códigos culturais, sua tendência monopolista disfarçada de simpatia é quase amor, sua relação ambígua com Governos e políticas públicas, seu impulso de pedir transparência aos usuários enquanto trabalham sob uma redoma frequentemente opaca, nada disso interessa ao público médio na forma de ensaios político-culturais. Nesse sentido, O Círculo funciona como um cavalo de tróia – você está lá, se divertindo com as patuscadas de Mae Holland na prosa quase televisiva de Eggers e, quando percebe, sua mente foi inoculada com uma série de questionamentos absolutamente sérios e relevantes sobre onde fica o limite entre a disrupção tecnológica útil e a demência capitalista-digital que mascara emoções destrutivas com design minimalista e responsivo.

the-circle

Antes de escrever esse post, me perguntei se ele seria relevante no contexto brasileiro, uma vez que a história de O Círculo depende em parte de conhecermos um pouco do funcionamento do Vale do Silício. Mas então lembrei que há pouco tivemos uma novela das sete com a mesma temática; que revistas mainstream como Época Negócios, Exame PME e Veja tem destilado essa filosofia em suas páginas há anos; que a morte de Steve Jobs comoveu Luciana Gimenez; e que mesmo aqui, em Porto Alegre, empresários de todos os portes e idades parecem querer emular o jeito de fazer negócios (e de se exibir) de San Francisco. Onde houver uma empresa que pensou em colocar (ou colocou) um videogame na área do cafezinho pra se sentir mais moderna, a leitura de O Círculo se faz necessária.

Conforme escrevi nos posts Softer, Worser, Slower, Weaker e A Perigosa Cultura do Como Mudar o Mundo e Sua Vida, estamos passando por um momento de deslumbramento com práticas empresariais supostamente modernas mas que, muitas vezes, tem por trás as mesmas intenções e valores de sempre – crescer e conquistar território. O fato de que essas intenções hoje são mais facilmente disfarçadas com propósitos “sociais” e slogans “inspiradores” é algo que deveria nos incentivar a ter sempre um pé atrás e uma sobrancelha levantada com empreendedores hiperbólicos. Só assim descobrimos, por exemplo, que a narrativa da startup que nasce em uma garagem no Vale do Silício é, em geral, mais mito do que de verdade. E que muitos empresários da era digital podem ser considerados, como escreveu Fernand Alphen, “robber Barons modernos”, alcunha historicamente reservada a latifundiários inescrupulosos na Europa medieval ou a industriais vorazes nos Estados Unidos do século XIX. Só assim mantemos uma atitude saudável de nos perguntarmos, como fez a Bia Granja, se não devemos deixar de usar um app super popular e útil (e com uma aura suuuper moderna) devido aos valores questionáveis de seus criadores.

O Círculo é o livro que faltava pra condensar todas essas suspeitas em uma obra de apelop pop e que você pode levar embaixo do braço lembrando que uma empresa mercantilista e messiânica não deixa de ser mercantilista e messiânica só porque sua sede parece um café do Brooklyn e seu discurso corporativo soa como um vídeo de autoajuda. Tudo bem se você quer conquistar o mundo com suas ideias, seu dinheiro e sua energia. Mas, como bem resume um ditado popular, não vem me contar que eu não sou dinheiro.

***

coup1

Outra coisa: de certa forma, achei que O Círculo é a versão século XXI de Microservos, romance de 1995 escrito por Douglas Coupland (o mesmo de Geração X). Microservos conta a história de um grupo de nerds hardcore com imensos talentos (e dificuldades de relacionamento do mesmo tamanho) que deixam a Microsoft para embarcar em um projeto semi-autoral. É bem mais emocional e poético do que O Círculo (ao estilo de Coupland), mas vale comparar os dois pra sentir o papel da tecnologia e seus personagens no meio da década de 90 (ainda marginais e desajeitados) e quase 20 anos depois (no centrão da cultura pop).

Microservos saiu no Brasil na época pela Nova Fronteira com uma capa idêntica à versão original (aí de cima) e é super difícil de achar, mesmo em sebos. Eu ainda tenho o meu. 🙂

Imagens: Be Nourished e Busty Teacher.

Anúncios

Jam: uma ferramenta de processo criativo simples e visual

JAMBOARD

Quem não é da área criativa em comunicação, geralmente acha que a parte mais complicada desse trabalho é “ter ideias”. Já quem é do ramo sabe: hoje em dia, com tanta informação e tantas ferramentas à mão, qualquer um tem ideias. O que não falta é gente chegando em reunião com ideias! O problema real é gerar ideias que resolvam mesmo os briefings e de maneira sistemática, o que é o oposto de ter espasmos de criatividade atirando para qualquer lado, coisa que qualquer um pode fazer de vez em quando.

Foi pra resolver isso que eu e o Zé Pedro Paz da DZ Estúdio criamos a JAM – Processo Criativo Smart/Simple. A JAM é uma ferramenta simples e visual desenvolvida para sistematizar a criação de ações e campanhas da DZ. Na DZ, assim como em muitas agências digitais, criação é processo e não necessariamente um departamento. Logo, envolve pessoas de áreas diferentes que nem sempre tem as manhas do processo criativo. Daí, a necessidade de utilizarmos um método de fácil compreensão e aplicação que organize as informações de entrada, facilite o brainstorm e depois consolide o resultado do brain.

A JAM vem sendo usada há mais de um ano na DZ e ajudou a desenvolver uma série de projetos bacanas. Agora, resolvemos abrir a JAM e liberá-la para o uso de quem quiser na esperança de receber críticas e sugestões, e também para ajudar outras empresas e pessoas que estejam, como estivemos, com obstáculos em processos criativos que envolvem profissionais de backgrounds muito diferentes.

Interessou? A JAM está explicadinha aqui nessa página, inclusive com os boards visuais que usamos nas nossas jams. Use e escreva pra nós pra fazer suas considerações. Queremos daqui um tempo ter uma JAM 2.0 ainda melhor e mais útil.

***

Atenção: na próxima quarta, dia 19 de novembro, eu e o Zé vamos dar um workshop sobre como usar a JAM na Semana da Comunicação da ARP. Mais informações aqui.

A perigosa cultura narrativa do "Como Mudar o Mundo e Sua Vida"

14327861786_dbba6451e8_b (1)

Mês passado, o Gustavo Gitti publicou no Papo de Homem um texto criticando os excessos do que poderíamos chamar de “cultura do aprimoramento”. Disse ele:

“Estamos na era do aprimoramento pessoal. ‘Como’ e ‘melhorar’ são os novos mantras: como melhorar a alimentação, como melhorar o trabalho, como melhorar o relacionamento… Quando aparece a palavra ‘rim’, é porque o rim não está funcionando bem. Quando se fala muito em paz, é porque não há paz. Se cada vez mais ouvimos sobre desenvolvimento humano, felicidade e transformação, talvez seja por que nunca estivemos tão confusos em relação ao que isso realmente significa.”

O post envereda por questões internas ao ser humano sobre o que de fato significa transformação, buscando falar do que vai além das aparências externas. Sem entrar em questões semânticas absolutas, ele estabelece, para efeito de diálogo, uma distinção entre mudança e transformação:

“O processo da mudança funciona como uma constante busca por novas experiências. Quando alguém diz ‘Mudei’ na maioria das vezes quer dizer: ‘Troquei de experiência’. O processo de transformação trabalha com toda e qualquer experiência, com cada vez menos necessidade de buscar por novas experiências ou de alterá-las externamente.”

Mudança seria, então, uma “revolução” mais aparente e também mais superficial. A transformação, por outro lado, exigiria um auto-entendimento mais refinado e menos dependente de manifestações externas. Mudança se anuncia, transformação se empreende. Mudança rende poemas, canções, videocases. Transformações rendem seu próprio resultado, que muitas vezes vem de um processo longo, demorado e pouco cinematográfico. Às vezes, inclusive, rende apenas seu próprio processo. Mas o fato de, hoje, a mudança ser muito mais popular do que a transformação não deve ser debitado unicamente na conta da dificuldade inerente das transformações. A cultura contemporânea tem celebrado e estimulado intensamente a ideia de mudança – rápida, formulaica e vibrante, já que a transformação não rende boas histórias se contada honestamente, pois demora demais pra acontecer e nem sempre gera fogos de artifício.

Segue Gitti:

“Não é fácil detectar o limite do processo de mudança em uma cultura que promove tantas soluções desse tipo. O site do TED é uma boa amostra desse zeitgeist atual. As palestras, se vistas em conjunto, parecem comunicar uma mensagem assim: Você quer se transformar? Basta saber disso, estudar aquela pesquisa, ler tal livro, não esquecer daquilo, começar a dormir mais, usar esse novo modelo de pensamento, se exercitar assim, comer isso, fazer tal coisa, implementar tal hábito…”

14929399639_67013a4742_b

Os vídeos das conferências TED Talks, que condensam ideias complexas e impactantes de cientistas, intelectuais, artistas e empreendedores em no máximo 18 minutos, são um dos vetores culturais mais poderosos da última década na internet. O site do TED tem cerca de 1500 vídeos que já foram assistidos mais de um bilhão de vezes. A estética TED Talks de apresentar ideias influenciou o mundo corporativo, o universo acadêmico e toda uma geração de jovens empreendedores (bem como os Muppets). Graças ao TED, para milhões de pessoas, um projeto de “mudar” ou de “mudar o mundo” é algo que precisa caber em 18 minutos além de ser necessariamente contado de maneira empolgante. Que medo.

Embora eu tenha assistido com gosto muitos vídeos do TED e reconheça o poder e as virtudes da síntese e do storytelling na vida prática, quando se fala de transformação real e profunda, penso que é temeroso acostumar-se unicamente com um paradigma baseado em “eficiência de plateia”. E é visível, ao menos nos meios que frequento e que acompanho, a confusão gerada pela estética TED Talks nesse sentido. Há os que acham que o resultado da transformação deve caber numa palestra ou num vídeo; há os que acham que a palestra/vídeo É o resultado da transformação; e há, o mais perigoso, os que não reconhecem o valor das pessoas que transformam e que geram transformação mas cuja fala não se alinha com a estética TED Talks. Que medo, de novo…

Semana passada, o site Motherboard aproveitou o buzz em torno da nova rede social Ello para destrinchar a história meteórica da Diaspora. Assim como o Ello, a Diaspora surgiu como uma alternativa ao Facebook, mais livre, mais privada e supostamente embebida em ideais mais nobres. Não sabemos o que será da Ello, mas a Diaspora naufragou devido a uma mistura de obstáculos internos e de contexto econômico-cultural. Isso não impediu que seus criadores fossem assediados pela mídia e erguidos em pedestais cedo demais, muito antes que suas ideias pudessem se provar eficientes e realmente transformadoras. A narrativa de ascensão e queda da Diaspora, dramática porque envolve até mesmo um suicídio, é fruto, em parte, da cultura TED Talks – era esperado por todos os lados que eles condensassem um amadurecimento de ideia aceleradamente. Live fast, die young. O ditado cinquentão ainda faz sentido na era digital.

Narrativas de transformação dificilmente cabem em videocases ou posts, mas podem dar livros interessantes. Procure a trilogia de Fernando Gabeira, por exemplo. Em O que é isso, Companheiro?,  O Crepúsculo do Macho e Entradas e Bandeiras o ex-guerrilheiro conta a longa, batalhada e dolorosa transformação pela qual passou antes, durante e depois da ditadura. Só não espere lições de vida ou listas de atitudes positivas. Outra boa dica é Jovens de um novo tempo, despertai onde o Nobel de Literatura Kenzaburo Oe tenta “explicar todas as coisas do mundo” a seu filho deficiente e se perde nos próprios devaneios e dificuldades tentando triangular a relação com o menino, seu projeto literário e seu amor pela poesia de William Blake. Impossível condensar essa história de transformação em um post de Facebook. Se ainda não estiver convencido, leia Depois do Êxtase, Lave a Roupa Suja, coletânea de centenas de entrevistas do professor de meditação americano Jack Kornfield com monges, lamas, padres, freiras e outros mestres espirituais sobre o lado B da vida espiritual. Acho que nenhum deles ali palestrou no TED.

Em resumo, é bacana e bem vindo que exista no ar essa energia que tende à mudança, à busca de novas perspectivas, de alargamento de horizontes. Mas ela é melhor acompanhada por uma dose certa de ceticismo, daquele tipo que não desestimula a busca por transformação mas que também não aceita tratar de um assunto tão importante com uma abordagem de programa de auditório hipster. O padre jesuíta John Culkin disse no século passado que “Moldamos nossas ferramentas e nossas ferramentas nos moldam”. Neste século, quando a comunicação e a linguagem são forças dominantes mais do que o trabalho, poderíamos dizer: “Moldamos nossas narrativas e nossas narrativas nos moldam”. É algo no qual vale a pena prestar muita atenção.

***

Na verdade, se formos um pouquinho mais fundo, vamos encontrar essa narrativa incorporada fortemente à cultura americana, que continua sendo uma das grandes influências da cultura global, não importa o que falem sobre a Ásia ou a América Latina. No dia 11 de setembro, ironicamente,  o The New York Times publicou em sua revista de varieadades um longo ensaio chamado “A Morte da Idade Adulta na Cultura Americana”. Nele, o crítico de cinema A.O.  Scott traça uma linha que começa na literatura do século XIX do seu país e chega até os seriados e as sagas literárias atuais ressaltando, entre outras coisas, sua ode ao escapismo. E cita Love and Death in The American Novel, escrito na década de 60 pela crítica literária Leslie Fiedler, que diz: “Um dos fatores que determina o tema e forma de nossos maiores livros é a estratégia de evasão, essa retirada para a natureza e para a infância que faz nossa literatura (e nossa vida!) tão encantadoramente e irritantemente masculina (boyish).” Não é difícil associar esse tipo de mentalidade com a cultura TED Talks / Vale do Silício.

***

Se você gostou desse texto, talvez curta meus próprios relatos de mudança:

– A busca pelo sentido no trabalho e as videocassetadas.

– Por uma vida mais ordinária.

***

Fotos: Raumrot

A receita do Queens of The Stone Age pro rock fazer sentido em 2014

5294d0fee3cf1

A morte do rock já foi cantada e decantada e, pra mim, é ponto pacífico. O rock entrou no século 21 agonizante e não sobreviveu aos ventos da mudança. Foi substituído sem solenidade como vetor cultural significativo da juventude, que vem adotando outras formas de identificação e empoderamento bem mais a ver com o ambiente em que vivem. Pop global à base de hip hop + dance music, games, seriados, startups, redes sociais, apps, objetos de fun design produzidos na China, subculturas locais, cozinhar!! Qualquer outra coisa é mais pulsante do que um estilo que já se virou do avesso pelo menos umas cinco vezes.

Se nos seus países de origem, Estados Unidos e Inglaterra, é assim, imagine então no hemisfério sul, onde o rock e seus derivados comportamentais sempre foram um estrangeirismo inoculado pelo tráfico de informação das elites – muitas vezes de forma bem intencionada e gerando híbridos interessantíssimos, mas ainda assim um estrangeirismo. Com a população dos países emergentes se contorcendo em busca de uma identidade que faça jus a um novo protagonismo de classes antes relegadas ao mero papel de audiência, não é de se estranhar que o rock hoje vá se encaminhando, no mundo todo, para uma posição parecida com a do jazz, reservado a clubes e nichos nas suas melhores expressões e a pastiches mainstream nas piores.

E é aí que entra o Queens of The Stone Age, a banda que conseguiu construir a ponte entre o mainstream e o nicho com uma contribuição musical que se pensava impossível a essa altura do campeonato. Seu sexto disco, …Like a Clockwork, base do show que fizeram no último sábado em Porto Alegre, é uma demonstração prática da possibilidade de ainda se lançar música que esteja alinhada historicamente com o que se conhece por “rock” mas conectada a expressões culturais mais contemporâneas – como os já citados hip hop, dance music, startups, games, seriados e subculturas locais. O que, no caso do Queens, não é nenhuma novidade: para ouvidos atentos, a banda nasceu em 1996 já habitando o século 21. Desde o início, a intenção de seu líder Josh Homme foi fugir do clichê macho do rock setentista de espantar as minas da pista com um som que oferece apenas agressividade. A repetição da dance music e os falsetes da disco estiveram presentes já nos primeiros acordes de vida, quebrando a linhagem grunge do ruído antipático aos quadris e antecipando a cantoria melódica do rock dos anos 00, que viria a emergir na sua forma mais conhecida primeiramente com as operetas indie do Radiohead e depois com o Strokes. A música do Queens sempre foi sexy sem ser molenga e sempre foi firme sem ser totalmente pentelha. Mesmo no álbum mais esquisitinho, Era Vulgaris, havia aqui e ali um gancho para que o ouvinte incauto pudesse se segurar.

https://rd.io/i/QXvPgDPxWT0/

Agora, mais do que nunca, o Queens estende seus tentáculos e se liga ao presente via conexões inusitadas: como o hip hop, sobrevive de batidas, recortes, riffs fatiados e vocalistas convidados; como a dance music, busca o transe induzido da repetição e do ritmo; do universo dos games vem um poderoso imaginário gráfico à base de animação e da própria figura dos músicos; dos seriados, quem sabe, a noção de temporadas e de narrativa, já que cada disco demora pra sair e é envolvido em seu próprio drama de bastidores (um integrante demitido, um que cai fora, outro que morre, celebridades convidadas, etc); das startups, o recrutamento minucioso dos parceiros certos, a capacidade de se reconstruir depois de cada álbum; no quesito subcultura locais, o Queens é mestre pois Josh Homme até hoje comenta como tenta ainda reviver o astral da cena das generator parties, da qual fez parte no deserto californiano dos anos 90. Em resumo, o Queens é uma banda que, em termos musicais, soube deixar pra trás o pendor destrutivo de seus predecessores para abraçar a cultura cumulativa do século que recém começa. Ele não detona, ele empilha. Se não há espaço, ele recorta e cola, muitas vezes em ângulos inusitados.

Estamos vivendo uma década bizarra, na qual brotam califados versados em comunicação digtial, epidemias de doenças apocalípticas e tecnologias avançadíssimas que parecem aprofundar crises tanto quanto oferecem soluções. Quem precisa de música niilista nos fones quando todo o resto ao redor está ruindo? O Queens é uma banda que, apesar de não parecer, oferece segurança em tempos caóticos. Sábado passado, em Porto Alegre, cerca de cinco mil pessoas puderam testemunhar o poder de uma jukebox ciborgue de execução precisa porém emocionalmente intensa, que engaja um público certamente não iniciado nos meandros musicais que alimentam a banda mas que nem por isso se sente excluído ou empurrado para longe. O rock que interessa no novo século não vem para destruir ou para bloquear mas para permitir a fruição. Chega de search & destroy, bem-vindo ao rock do search & enjoy.

***

Foto: Matador Records

O espaço de trabalho ideal segundo a R/GA (e Steve Johnson)

02_Diagram

Alguns anos atrás, passei por uma das experiências mais ricas da minha carreira ao vivenciar a mudança de endereço de uma agência em que trabalhava. Fomos, mais de 100 funcionários, de um espaço térreo, escuro, antigo, com móveis velhos, paredes desgastadas e num bairro residencial para um gigantesco conjunto comercial com tudo tinindo de novo e localizado numa das avenidas mais valorizadas da cidade. Apesar de inegavelmente bem planejado e executado, o novo espaço decepcionou uma parte da equipe, que com o tempo passou a sentir falta do velho escritório. Pouca gente articulou sua saudade e eu só fui entender mesmo o que havia acontecido quando li De Onde Vem as Boas Ideias.

No livro, o escritor Steve Johnson explica o que caracteriza um ambiente criativo, buscando referências em recifes de corais, metrópoles e no sopão de proteínas que deu origem à vida na Terra. E defende que ambientes criativos precisam de uma mistura muito bem equilibrada de estruturação e caos. A maior parte das empresas pende para um lado ou para outro. Encontrar o ponto certo é um feito para poucos. No caso da agência que citei, vínhamos de um espaço deteriorado porém extremamente permeável à colaboração, cheio de recantos informais nos quais pessoas de diferentes áreas faziam reuniões improvisadas. A informação interna circulava de maneira muito mais livre. O que era um pouco mais difícil no espaço novo.

O relatório Creativity for the Connected Age, da agência digital R/GA (mais conhecida pela criação do Nike Plus), tem um capítulo dedicado a espaços criativos de trabalho e traz no gráfico acima um resumo visual abertamente derivado da abordagem de Steve Johnson. Um dos trechos de “Letting the Creative Culture Flourishes” explica:

“O Escritório Ideal combina aspectos de cafés, cidades e da Internet. Inspiradas nos cafés, as empresas devem criar um ambiente acessivo e inclusivo para que seus funcionários compartilhem ideias. Inspirados nas cidades, o Escritório Ideal deve ser projetado para combinar diferentes pontos de vista de maneira que se produza a fricção necessária para gerar melhores ideias. E da Internet, as empresas devem copiar as oportunidades que permitem aos funcionários colaborar transcendendo cargos e departamentos.”

Claro, mais fácil falar (ou escrever) do que fazer. Mas, no caso da respeitada R/GA, trata-se de uma empresa que está desenhando um mapa a partir de um caminho que já percorreu. Dá pra confiar.

O relatório Creativity for the Connected Age pode ser acessado a partir de inscrição gratuita na plataforma de informação Future Vision da R/GA.

***

Leia também:

– Suas ideias não são só suas: entrevista de Steve Johnson à Época Negócios.

O papel do design estratégico na construção de uma cidade mais humana – e vice-versa

 nos A ideia de que os próprios cidadãos podem se organizar em grupos autônomos e não depender de Governos e empresas para melhorar as cidades onde vivem parece estar passando por uma segunda onda de evolução no Brasil. Após os protestos de junho de 2013, que estabeleceram um marco histórico e político junto a todo e qualquer movimento social e criativo, restou uma pergunta: e agora? O que fazer? Pra onde ir? Alguns setores políticos, tanto à esquerda quanto à direita, enunciaram a questão com escárnio, desdenhando o efeito difuso dos protestos. Outras cabeças, mais ligadas, transformaram a dúvida em investigação estratégica, buscando respostas estruturais e de longo prazo baseada em vivências e não apenas em teorias empoeiradas, gritos de ordem autistas ou críticas sarcásticas.

A consultora de design estratégico e planejadora Carla Link é um desses exemplos. A tese de mestrado dela em Design Estratégico (resumo da defesa logo acima) não estava diretamente ligada às Jornadas de Junho. Mas ao propor uma investigação da atuação de coletivos urbanos com a lente rigorosa e sistemática do Design Estratégico, a Carlinha descobriu o território lodoso e fascinante da intersecção entre prática e teoria quando se trata de tornar nossas cidades mais humanas. Abaixo, segue um papo que tive por email pra esmiuçar mais o que ela viveu durante o processo do mestrado e da relação com o coletivo Ocupe e Abrace, responsável pela revitalização de uma praça na Pompeia em uma das cidades mais desafiadoras do mundo quando se trata de humanizar espaços urbanos: São Paulo.

Conector: De onde surgiu a vontade de cruzar o tema do Design Estratégico com o de cidades mais humanas e criativas?
Carla: Tudo começou com uma ida a Nova Iorque depois de quase dois anos morando em São Paulo. Em primeiro lugar, vi que uma cidade que é centrada nas pessoas, que valoriza os espaços públicos e possibilita o uso de meios alternativos de deslocamento já é impressionante pra uma nova paulistana, que demorou um pouco para se adaptar ao tempo da cidade ( que é muito diferente de Porto Alegre). Além disso, eu tive oportunidade de ir em duas exposições fantásticas que tratavam do assunto. Uma foi a exposição interativa sobre os 100 anos da IBM, focada em smart cities. Lá, eles mostravam diversos casos e projetos, incluindo o Rio de Janeiro, onde a leitura de dados apoiava o desenvolvimento e melhoria dos sistemas urbanos. Segundo, no MoMA, havia uma outra exposição chamada Talk to me, que tratava justamente de como o design apoiava diferente diálogos e interações na cidade. Esses foram os três principais estímulos. Eu já estava lendo e descobrindo mais sobre a maneira de pensar do design e essas referências me fizeram enxergar uma possibilidade de ação. Que seria usar as minhas habilidades da carreira em comunicação pra repensar o diálogo entre cidade e pessoas.

mapa

Conector: Por que tu escolheu estudar o caso do Ocupe e Abrace especificamente?
Carla: Bom, eu decidi fazer meu projeto sobre São Paulo por ser a cidade mais caótica do Brasil. E a minha ideia inicial era unir duas referencias teóricas: smart cities, que utilizam os dados e a tecnologia como base para novas relações, e as comunidades criativas, que se conceituam pela união das pessoas pra geração de uma nova solução pro seu próprio cotidiano. Eu queria explorar como São Paulo estava sendo impactada por essas forças. Comecei um super mapeamento de iniciativas na cidade e acabei encontrando uma plataforma de inovação aberta chamada Cidade Democrática, que estava começando um processo de geração de ideias para o bairro da Pompeia, vizinho a Perdizes, onde eu morava na época. Aí, eu comecei a participar dos encontros de co-criação e, ao mesmo tempo, a conversar com pessoas de outras iniciativas. Aos poucos, alguns moradores decidiram montar um grupo pra colocar uma das ideias em prática: a revitalização da Praça Homero Silva, o único espaço verde do bairro. Eles se juntaram com outros dois movimentos que estavam começando. A criação do grupo se mostrou um exemplo prático das teoria das comunidades criativas e eu acabei participando de toda a concepção. Ao mesmo tempo, tive que desistir do tema de smarts cities porque em São Paulo não havia investimentos nessa esfera. Então, inicialmente minha ideia era focar na cidade e, aos poucos, à medida em que vi o grupo nascendo e crescendo, percebi a riqueza de explorar esse movimento que estava propondo uma nova visão da cidade. Foi um pouco do destino, um pouco de sorte e, no fim, um foco mais específico pro meu projeto.

Conector: O que te surprendeu mais ao ir a campo, ao confrontar tuas primeiras ideias e teses com a realidade? O que tu sentiu que é uma questão urgente da rua, distante da teoria?
Carla: Pra mim, foi um grande choque de realidade participar das discussões e propostas do grupo. Vinda da área de propaganda e das grandes marcas, demorou pra eu entender que a relação que as pessoas estavam propondo pro espaço era pequena, local e orgânica. Ou seja, feita pelas pessoas e pras pessoas do bairro. Rapidamente surgiram possibilidades de grandes marcas patrocinarem a primeira iniciativa, o Festival na Praça, e o grupo foi totalmente contra. Claro, o objetivo não era a propagação da ideia e o ineditismo da iniciativa, ou o quanto é hype, cool, trendy, mas sim de criar uma nova proposta de relação entre os vizinhos e aquele espaço. Se uma marca viesse patrocinar aquele evento, seria um “statement” da marca e não das pessoas. Foi importante esse choque de visões, que acontecia a todo instante pelo desejo de entender o objetivo real do grupo e dos seus interesses. Acho que o meu grande aprendizado no projeto foi entender que esse “despertar” sobre a cidade não é natural e fácil. As pessoas precisam voltar a se relacionar com a cidade, porque elas são a cidade. Só que isso não é mais tão claro. A gente vive nessa correria da garagem pro shopping, do carro pra casa e não nos perguntamos mais: qual é a cidade em que gostaríamos de viver? A partir disso, podemos ser propositivos e fazer movimentos que levem à construção dessa cidade.

conviteoutonoPRINTw

Conector: Tu acha que essas questões de ocupações urbanas criativas estão sendo bem cobertas pelo pensamento acadêmico? Há linhas teóricas cobrindo isso e processando em tempo real? Ou há uma linhagem mais antiga de estudo?
Carla: Acredito que sim, que está sendo bem coberta, mas as transformações são muito mais rápidas do que o nível de produção acadêmica. Hoje, a evolução e maturidade do Ocupe e Abrace me levaria a uma outra análise e a uma outra proposta de projeto. Nós, acadêmicos, estudamos e registramos um momento/espaço-tempo, porém o projeto cresce, ou até muitas vezes morre mais rápido. Há movimentos como o DESIS – Design for Social Innovation and Sustainability, na área de design, que mapeiam essas iniciativas e a troca. Vejo muitos projetos na área de arquitetura, mapeando e propondo novas relações das pessoas com o espaço. A própria USP, através da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, tem iniciativas acadêmicas aliadas ao universo prático da cidade – como o projeto LabVerde, que traz o pensamento da permacultura ou da relação das pessoas com os rios. Inclusive, nós estamos tentando um termo de cooperação junto à Subprefeitura da Lapa, distrito do qual a Praça faz parte, pra implementação de um projeto estrutural pra praça feita por esse núcleo da FAU.

Conector: O teu estudo teve um impacto na forma como o Ocupe e Abrace age?
Carla: Pouco. Como o grupo estava nesse momento de formação, eu fiquei mais como uma observadora entendendo como as relações estavam sendo criadas. Em alguns momentos, como no workshop que propus com o grupo, apresentei minha visão sobre o coletivo e minha leitura do grupo. Mas no mestrado eu não faço uma proposta metodológica e sim uma análise e um levantamento de diretrizes projetuais. Foi sobre o que eu aprendi com o grupo, não sobre o que eles aprenderam comigo. Aos poucos eu fui trazendo minhas percepções, mas não tive tempo de apresentar todas as visões para eles ainda.

Conector: Qual tu acha que é a principal dificuldade para grupos que trabalham com ocupação criativa?
Carla: São diferentes níveis. O primeiro obstáculo são as próprias pessoas, elas entenderem que um novo tipo de convivência e ocupação é possível. Muita gente é negativa, descrente, e nos vê como baderneiros porque colocamos música e vida num espaço antes abandonado. Nosso propósito, por exemplo, sempre foi o da ocupação amorosa e inclusiva. Cada vez que vemos um senhor ou senhora de idade na praça é uma festa! Porque eles já viram esse espaço abandonado por muito tempo e também viram diversas tentativas frustadas de mudança. Então é um esforço constante de convencimento pras pessoas irem, participarem, ocuparem e se sentirem pertencentes àquele espaço. Dentro do próprio movimento, ainda são poucas pessoas atuando propositivamente e liderando iniciativas. O segundo obstáculo é de comunicação. Vivemos com a facilidade dos meios digitais, mas um projeto local precisa do contato mais pessoal e offline. É difícil manter isso e na praça não chegamos em um modelo ideal. Não há indicações sobre o grupo ou nosso propósito no local. Há um esforço dos participantes que moram mais próximo à praça de conversar com os vizinhos, falar da praça. Já usamos cartazes e carros de som. As atividades culturais, como a música, também atraem novos curiosos. O terceiro obstáculo é o burocrático. O formato “coletivo” ainda é muito novo e juridicamente ilegítimo como um tipo de sociedade organizada, diferente das associações de bairro. Isso complica inclusive como captar dinheiro e formas de viabilizar nossas propostas. Além disso, também estamos aprendendo a conviver com os órgãos públicos e seus processos.

Conector: E qual é o lado fácil?
Carla: A união dos grupos. Aqui em São Paulo está acontecendo uma troca muito grande entre os coletivos. O nosso coletivo já foi convidado pra apoiar outras iniciativas, assim como diversos grupos nos apoiam diretamente – promovendo atividades, melhorias, formas de viabilizar. Vejo cada vez mais a cidade como um laboratório de experimentação, e é lindo ver as conquistas de cada grupo.

10606434_725929587477375_2744859259333300546_n

Conector: Existe uma resistência ao uso de um pensamento sistemático como o Design Estratégico? Os grupos que tu mapeou tinham uma abordagem sistêmica e estratégica das suas ações ou eles estavam simplesmente respondendo organicamente a demandas coletivas?
Carla: Acho que depende muito, já são muitas iniciativas na cidade que estão exercitando novos formatos pra se tornarem sustentáveis. O Cidade Democrática, por exemplo, é uma iniciativa do Instituto Seva e venceu um edital, posteriormente ao projeto da Pompeia, pra apoiar o desenvolvimento de um plano pras cidades do Xingu. Eles são uma ONG. Sei que um outro coletivo se tornou uma empresa. Então, depende muito. Já está acontecendo uma “profissionalização” e um movimento de sustentabilidade do grupo e de seus membros. É interessante ver isso, porque o impacto das ações é tão positivo, que demanda mais tempo e novas iniciativas. Uma replicação de boas práticas, que necessita de um investimento de tempo e recurso das pessoas.

Conector: Existe uma proximidade dos grupos de ocupação criativa com os movimentos sociais ou são segmentos diferentes?
Carla: Isso está relacionado à minha resposta acima. Acho que sim, até por esse teste de formatos e possibilidades de atuação dos grupos de forma mais intensa. Também pela troca que há entre os grupos. Acho que a grande questão está no papel das marcas, que ainda não é muito claro ou visível. Acho que tem espaço para encontros e viabilidades por parte das marcas. Numa relação diferente do que existe hoje, menos de patrocínio e mais como uma instituição que pode gerar novas trocas na cidade.

Conector: E o teu estudo teve um impacto na tua vida, no jeito como tu te relaciona com a cidade onde tu mora?
Carla: Totalmente. Digo que encontrei meu ponto de equilíbrio com São Paulo. Cheguei ao ponto de escolher esse bairro pra viver quando precisei me mudar. Eu sempre sentia falta de um espaço mais social na minha vida, mas eu não sou muito próxima da ideia de voluntariado. Sou proativa e muito propositva. Gosto de gerar ideias. E o coletivo e a praça, como nosso espaço de experimentação, me permite isso. Além disso, a convivência com os espaços do bairro e com as pessoas é incrível. Já fui reconhecida como a moça da praça, passei a conhecer meus vizinhos, a ter contato com outros moradores e conhecer suas histórias de vida. E a ter um domingo em família, já que sempre tem atividades na praça nesse dia. Converso com senhores de 80 anos, com crianças, com casais, com donos de cachorro, com artistas, com outros grupos… E sinto mais vontade de explorar a região, valorizar os comerciantes daqui, vontade de cuidar do espaço. Já limpamos muito lixo da praça, já capinamos, já pintamos… me traz uma satisfação pensar que estou contribuindo para uma cidade melhor. Eu vivo em outra São Paulo, vivo uma cidade incrível e em transformação. E não vejo mais aquele espaço cinza, caótico e congestionado.

***

Leitura Complementar:

– Post da Carlinha sobre a história do Ocupe e Abrace no Social Good Brasil.
– Um manual prático de design para impacto social.